sábado, 5 de julho de 2008

O Conselho Geral; e as ideias onde estão?

Vão agora, ou antes para quem tem pressa de aplicar as directivas, proceder-se às eleições, em vários corpos, dos elementos do Conselho Geral Transitório.
O Conselho Geral vai ter funções importantíssimas em cada escola ou agrupamento, entre as quais eleger o Director Executivo (o que não é para já), elaborar o Regulamento Interno, aprovar planos, orçamentos, projectos, acompanhar tudo isso, fazer recomendações etc.
Os professores elegem sete membros, os funcionários dois, os estudantes do ensino secundário um, a Associação de Pais quatro ou cinco, a Câmara Municipal três; depois cooptam-se mais três.
Elege-se o quê?
Pessoas?
À partida todos são boas pessoas. Mas é isso que interessa?

A mim, e suponho que é isso que deveria interessar, o que é importante são as ideias, os projectos, os protocolos, aquilo que se pode fazer a curto ou médio prazo.
Qual o interesse de dar um “cheque em branco” a alguém que não diz o que quer e o que pretende fazer?
E uma Associação de Pais com vinte sócios numa escola de setecentos alunos não diz também o que pretende e o que está disposta a fazer?
E a Câmara Municipal não deveria dizer qual é a sua política de ensino e que orçamento tem disponível para as coisas que acha que são importantes?

Acho estranho não haver obrigatoriedade de apresentar programas. E mesmo não sendo obrigatório, seria o mínimo exigível para esclarecimento e respeito pelos cidadãos.

É que não há direitos sem deveres. E não há cidadania sem participação com ideias e actos.

2 comentários:

josé manuel chorão disse...

Tens toda a razão.
Quanto à ausência de ideias (pressuposta) no Conselho Geral, depois falamos, não cabe aqui uma explicação satisfatória.Mas sempre te digo que é eleito aos bocados (profs.agora, representantes camarários depois, outros elementos ainda depois), o que torna dificil que as pessoas se encontrem e debatam ideias antes de saberem quem são uns e os outros.
Mas o que escreves aplica-se por inteiro ao Conselho Pedagógico, órgão que define as linhas pedagógicas de uma escola, os objectivos a atingir e muito mais. Ora tu estás lá há uns bons anos, já fizeste um mandado como presidente, lá continuas e nunca te vi preocupado com isso no C.Pedagógico. Passaste airosamente por cima da necessidade de apresentar publicamente projectos.
Repito que tens razão no que escreves no teu post. Acho é curioso que esperes dos outros órgãos que façam aquilo que nunca te preocupaste em fazer.

JFBRS disse...

A memória é curta ou a distracção é grande. Apresentei variadas propostas, muitas delas sem receber quaisquer comentários.
Por outro lado, o Conselho Pedagógico é um órgão consultivo, enquanto o Conselho Geral tem poderes de decisão e é quem tem o dever de traçar as linhas orientadoras,tal como a Assembleia de Escola. E no Conselho Geral, ao contrário do Conselho Pedagógico as pessoas candidatam-se em listas.
De qualquer modo não vou pessoalizar a questão.